Gazeta Apodiense

MENU
Logo
Terça, 09 de março de 2021
Publicidade
Publicidade

Estado

Caminhoneiros e motoristas por aplicativo fazem protesto em Natal contra aumento do preço dos combustíveis

Manifestantes cobram preços mais baixos nas bombas. O último reajuste começou a valer na sexta-feira (19).

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Caminhoneiros e motoristas por aplicativo fizeram um protesto na BR-101, entre Parnamirim e Natal, na manhã desta segunda-feira (22), contra o aumento no preço dos combustíveis. Os motoristas exibiram faixas cobrando preços mais baixos nas bombas. O último reajuste começou a valer na sexta-feira (19) e postos da capital e Região Metropolitana já cobravam R$ 5,69 pelo litro da gasolina.

A mobilização começou por volta das 10h. Os motoristas seguiram pela BR- 101 até Parnamirim e retornaram sentido ao centro de Natal. Os carros e caminhões não chegaram a bloquear a rodovia. Um carro de som foi utilizado para reproduzir as reivindicações da categoria. Condutores que passavam pela via no momento, buzinaram em sinal de apoio ao ato.

Natal tem a gasolina mais cara entre as capitais do Nordeste e a terceira do Brasil, diz ANP
Petrobras sobe preço da gasolina pela 4ª vez no ano; diesel tem 3ª alta
A carreata foi seguida por viaturas da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os manifestantes ameaçaram parar em frente a Governadoria para pedir a redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), mas acabaram seguindo com o protesto. O secretário de Tributação do Estado, Carlos Eduardo Xavier, informou que uma equipe da secretaria estaria disponível para receber os motoristas.

O vice-presidente do sindicato que representa a categoria dos motoristas por aplicativo, Itamar Monteiro, informou que a categoria enfrenta dificuldades para custear os constantes aumentos dos preços.

“A gente vê que toda semana está aumentando o combustível. Nós somos pais de família. A gente não está aguentando mais”, disse.

Segundo ele, a categoria tem cerca de 8 mil trabalhadores do estado.

 

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/rn

Créditos: As fotos e vídeos contidos nesta matéria é de inteira e total responsabilidade de Anna Alyne Cunha / Intertv Cabugi

Publicidade
Publicidade

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade