Gazeta Apodiense

Notícias Estado

No RN há 3 anos, afegão consegue cidadania brasileira e tenta tirar primo do Afeganistão

Primo de Abdul Fattah trabalhava para o governo local e teve que fugir da cidade onde morava

No RN há 3 anos, afegão consegue cidadania brasileira e tenta tirar primo do Afeganistão
Créditos: As fotos e vídeos contidos nesta matéria é de inteira e total responsabilidade de Cedida
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O afegão Abdul Fattah Rabiel, de 39 anos, recebeu cidadania brasileira na última segunda-feira (23) depois de 3 anos vivendo no Rio Grande do Norte. Ele saiu do Afeganistão em 2018 para morar no Brasil. Hoje, vive em Parnamirim com a esposa brasileira e o filho de 3 anos, que nasceu na Turquia.

O mediador cultural assistiu desolado às imagens da invasão do Talibã no Afeganistão, local onde nasceu e foi criado, na primeira quinzena de agosto.

Nesta quinta-feira (26), ao menos duas explosões deixaram várias vítimas no aeroporto internacional de Cabul, capital do Afeganistão. A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) confirmou que foi um atentado terrorista e o Talibã condenou o ataque.

Uma das maiores preocupações de Abdul Fattah é com parentes que ainda vivem no país ocidental. Um primo dele trabalhava para o governo local e teve que fugir da cidade onde morava, com medo de ser alvo de perseguição.

"Ele é casado e tem três filhos, incluindo uma menina. Ele trabalhava para o governo e teve que sair de casa e se esconder em outra cidade para não ser pego ou morto".
A esposa de Fattah, Lana Rabiel, explica que os dois estão fazendo de tudo para trazer o primo, juntamente com a família, ao Brasil.

"É muito angustiante, bem difícil. Estamos lutando para não deixar os últimos fios de esperança morrer. Queremos lutar até o último minuto", disse Lana.

"A gente está tentando colocar o primo do Fattah em algum avião e trazê-lo para o Brasil. Não só ele, mas uma lista de umas 500 pessoas que estão nessa situação. Estamos tentando trazê-los para a segurança do nosso país", explicou a brasileira.

Segundo ela, um grupo de pessoas enviou um documento ao presidente Jair Bolsonaro pedindo para que o governo federal aceite famílias afegãs no Brasil com o visto humanitário.

Missão humanitária
Fattah foi convidado a trabalhar numa missão humanitária chamada 'Nas asas da águia', que tem como objetivo evacuar famílias afegãs em risco e levá-las a Bahrein. Ele aguarda o passaporte brasileiro para poder embarcar.

"Hoje [quinta-feira, 26], levamos os documentos para dar entrada no título de eleitor. Só depois disso poderemos marcar para fazer o passaporte. Pode levar de 5 a 6 dias úteis. A gente tenta pedir urgência, mas as pessoas não entendem", conta Lana.

Aviso: Esse conteúdo não reflete a opinião do nosso portal e a sua fonte é g1.globo.com/rn
Comentários:

Veja também

Seja assinante do nosso portal! É GRÁTIS!

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!