Gazeta Apodiense

MENU
Logo
Sexta, 15 de janeiro de 2021
Publicidade
Publicidade

Estado

Parte da falésia de Pipa volta a desabar e trecho segue interditado

Deslizamentos aconteceram nesta quinta-feira (3) e na segunda-feira (30).

Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Praia de Pipa registrou dois novos deslizamentos nas áreas das falésias, um nesta quinta-feira (3) e outro que aconteceu na segunda-feira (30). Não houve vítimas.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente, Urbanismo e Mobilidade Urbana de Tibau do Sul, o trecho onde o desabamento voltou a ocorrer é exatamente na Baía dos Golfinhos, que foi interditado após o acidente que matou um casal, o filho de 7 meses, e o cachorro da família no dia 17 de novembro.

Hugo Pereira, de 32 anos, Stela Souza, de 33, aproveitavam um dia de folga na praia com o filho Sol Souza Pereira e o cachorro quando parte da falésia desabou sobre eles.

Tragédia que matou família em Pipa expõe risco de acidentes com falésias
Família não tinha costume de frequentar praia onde falésia desabou em Pipa, diz irmão
Mãe tentou proteger o filho em desabamento de falésia em Pipa e morreu abraçada a ele, diz testemunha
O que se sabe e o que falta saber sobre o desabamento de falésia que matou família em Pipa
A secretaria informou que os locais que sofreram com os novos deslizamentos seguem interditados tanto na faixa de areia, quanto no topo da falésia, inclusive com dez estabelecimentos sendo mantidos fechados.

Por conta do novo desabamento, a prefeitura de Tibau do Sul reforçou o pedido para que os banhistas respeitem as sinalizações e evitem proximidade com a falésias nos trechos orientados.

Segundo o Município, as interdições vão seguir temporariamente até a conclusão do estudo técnico que está sendo realizado por geólogos e engenheiros civis.

Trechos interditados
Dez estabelecimentos e parte da faixa de areia próxima à falésia foram interditados um dia após o acidente que terminou na morte do casal, do filho de 7 meses e do cachorro.

No dia 25 de novembro, após a primeira parte do estudo, referente às características geológicas das falésias, ser entregue, a prefeitura decidiu manter todos os trechos interditados temporariamente.


De acordo com o Município, a segunda parte do estudo será feita por engenheiros civis. A previsão é que a análise, que já está em andamento, seja concluída em até 15 dias, segundo informou a prefeitura nesta quinta-feira (3).

 

Esta é uma cópia de conteúdo e não reflete necessariamente a opinião do GRUPO APONEWS DE COMUNICAÇÃO, sendo de inteira e total responsabilidade de g1.globo.com/rn

Créditos (Imagem de capa): Esta foto é de inteira e total responsabilidade de Divulgação

Publicidade
Publicidade

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Envie sua mensagem para nossa redação!